sábado, 23 de julho de 2011

DESPIR-ME




Fico a sua frente
Insinuando com balançar de meus cabelos
Tiro minha blusa
o sutiã vinho que adoras
passo a mão em meus seios
agora escorrego minhas mãos
pela meia calça e retiro-a
num ato descomunal
retiro a calcinha vinho
e vou me deliciando
com caricias em meu proprio corpo
e tu a fitar-me mudo
Para tu isto é
Muito natural
Desfilo para ti
Não me falas das saliências a mais...
Sinto-me a vontade
Minha sensualidade
parece ser natural
Ficas a fitar meus olhos
boca
meus seios cheios de tesão
Tu a me admirar
É  fascinante
Estou suada
Com desejos a flor da pele
Veres-me enroscada
Deleitando de amor
Na volúpia de dois corpos  a se desejarem
Aqui esta corpos inertes depois
de um átimo de prazer e sedução
Vou ao banho com
Minha toalha enrolada
me admiras!!!
Na verdade jamais
Viveria sem ti
Meu ESPELHO ..........


Um comentário:

  1. Ana,



    Eis outro da série erótico-cômicos: poemas de banho.





    Um beijo!

    ResponderExcluir