terça-feira, 31 de janeiro de 2012

TARDE DE AMOR


TARDE DE AMOR

Tarde fria e gelada. Chegas mansamente como um forasteiro.
Beijas a boca de sua amada, dedilha sua mão em minha silueta..
Sinto o calor de o amor fervilhar meu interior...
Aos pouco desnuda sua amada selvagemmente...
Beijas o corpo dela sem milímetros deixar...
A alcova agora toda desfeita, lençóis jogados no chão...
Agora somente dois corpos entrelaçados como se ali existisse apenas um...
Parecem animais exalam o odor do amor...
Suores molhando o lençol, nada como estar com o ser amado...
Desfrutar de seus beijos e sua boca a explorar essa sensualidade só sua...
Agora como uivos de prazer, estendem-se dois corpos inertes neste leito de amor...
O quarto inebria o perfume de dois corpos que antes sedentos...
E a noite chega os dois ali deitados abraçados!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário